sexta-feira, 21 de março de 2014

St. Pettersburg, Rússia - desembarque no porto



Por: Adriana Aguiar Ribeiro

Este post sobre St. Pettersburg foi bastante adiado. Pois, como tudo na Rússia, este assunto é coisa grandiosa. Por isso decidi deixar de lado o tradicional roteiro turístico, que é facilmente encontrado em diversos sites, e pontuar algumas dificuldades e outras informações acerca da cidade.
Primorskaya: 2min10s descida até a plataforma de metrô
O idioma russo é a primeira grande barreira para nós ocidentais. Isso aliado ao fato de que apenas pequena parcela da população russa fala inglês ou outro idioma. E para completar, o alfabeto cirílico é completamente diferente do que conhecemos. E daí? Sobrevive-se na Rússia? Sim, mas não é tarefa das mais simples. Por isso, quanto mais você pesquisar sobre o lugar obtendo informações detalhadas de seus roteiros, pontos a visitar, meios de transporte, comidas, hábitos, cultura local, mais facilidade você encontrará para realizar sua visita. Claro que você pode optar por contratar serviços turísticos, mas isso, além de encarecer o pacote final, tira também a graça do desafio de conhecer mais profundamente o seu destino, através do planejamento do roteiro.
Nevsky Prospect
Foram três dias em St. Pettersburg e, a experiência a ser compartilhada aqui, se baseia em uma viagem com entrada pelo porto. De navio. Não foi fácil adquirir informações precisas sobre transporte do porto para o centro da cidade. Através do Google Maps obtém-se a informação de como chegar desde a área portuária até o centro da cidade. Porém, como sair do porto até o metrô foi um mistério que só consegui desvendar após uma consulta com o especialista em St. Pettersburg, um russo que, gentilmente. responde as demandas através do site Trip Advisor. Santa alma caridosa! Quando você não encontrar em nenhum site da internet a informação turística necessária sobre um lugar, apele para o tal especialista. Funciona!
Canal do centro
Por isso, disponibilizo aqui a preciosa informação: após o navio atracar, desembarque no porto. Primeiro, faça a imigração. Apesar de informarem no navio que é necessário ter uma excursão comprada para conseguir obter o visto de turista (isso vale para cidadãos provenientes de países que não têm relação diplomática bilateral - referente ao visto de entrada, como Estados Unidos), brasileiros não precisam de visto para entrar na Rússia. A imigração foi tranquila e cordial. É simpático que se aprenda algumas palavras no idioma local, para utilizar em um momento adequado. Um bom dia (“dobro utra”) para saudar o oficial da imigração foi bem-vindo para quebrar o gelo. Burocracias vencidas, chega-se ao saguão do terminal onde o navio atraca. Pronto:  O mundo cirílico! Máquinas de dinheiro, lojas, informações para táxi, etc. É necessário fazer uma conversão mental para se adequar a este novo universo, pois viramos analfabetos, onde tudo é escrito de modo diferente do ocidental. Vale à pena parar, respirar e pensar sobre os próximos passos.
Nevsky Prospect; grandiosidade

Você precisará de dinheiro local, rublos. Não encontrei casa de câmbio funcionando no local de desembarque. Portanto há máquinas para cartão de débito. Nessas horas ter um “Travel Money” pode ajudar muito. Foi a salvação para a aquisição de dinheiro local para tomar o ônibus. Caso você prefira um táxi, poderá reservar direto no guichê de táxi e pagar com cartão de crédito. Porém diversos sites não falam bem deste serviço em St. Pettersburg.
O ônibus 158 passa em frente a todos os terminais de desembarque do porto de St. Pettersburg e vai até a estação de metrô Primorskaya (aproximadamente na segunda ou terceira parada, depois de percorrida uma distância considerável). Basta sair do terminal e procurar por uma plaquinha com o número 158. Passa de 20 em 20 min. aproximadamente. É necessário ter rublos para pagar o ônibus. Alguns sites informam que é necessário o valor exato, trocado. Mas deram troco. Apesar de com certa má vontade. Lembre-se de pedir ao motorista para indicar Primorskaya. O preço do ônibus em maio de 2014 foi de 25 rublos por pessoa.
Igreja do Sangue Derramado
Nos arredores da estação Primorskaya você encontrará casas de câmbio, assim como em vários pontos da famosa Nevsky Prospect. Em Primorskaya vá ao guichê e compre o ingresso (em forma de moedas) para o metrô. Prepare-se para descer 2 minutos e 10 segundos de escada rolante até a plataforma de metrô! O buraco de metrô mais profundo que já desci. Como era verão e fazia muito calor, sofremos com a falta de ar condicionado no metrô. Aliás, ar-condicionado é coisa rara na Rússia.  De Primorskaya são apenas duas paradas até chegar a Nevsky Prospect.
Nevsky Prospect: chegar até aqui é uma vitória. Pois, a partir desta grande avenida chega-se a grande parte das atrações turísticas da cidade como o Museu Hermitage, a Igreja do Sangue Derramado, o porto para o barco – hydrofoil - que conduz ao Palácio Peterhof, a Catedral de São Pedro e São Paulo, entre outras atrações.
Matrioscas

Nevsky Prospect é a avenida principal de St. Pettersburg. Grandiosa, repleta de prédios elegantes, museus, pontes, palácios, cafés, restaurantes, lojas, shoppings, casas de câmbio e muito mais. Vale a pena caminhar por esta avenida para sentir o clima da cidade.
Moeda local: A unidade de moeda da Rússia é o rublo (RUR). Como se trata de moeda controlada é ilegal levá-la para fora do país. Por isso recomendo trocar os rublos não utilizados em uma casa de câmbio ou gastá-los nas lojinhas de souvenires do porto.
O que comer: entre os pratos típicos russos estão o maravilhoso estrogonofe de carne (finas fatias de carne cozidas com cogumelos, cebolas e creme de leite), o borscht (uma sopa à base de beterraba) e o famoso frango à la Kiev (peito de frango em manteiga de alho, geralmente empanado e levemente frito). Os blinis são uma espécie de crepe com recheio doce ou salgado. O milho cozido vendido nas carrocinhas de rua é sem igual. A comida de um modo geral é saborosa e bem temperada. Lembra a comida brasileira.
Lembranças: as matrioscas em todas as cores e tamanhos. Os ovos russos em tamanhos diversos, para serem usados como objeto decorativo e até como adorno pessoal, no caso dos pingentes.