domingo, 10 de julho de 2016

Razões para ir ao Jardim Botânico, Rio de Janeiro

Texto e Fotos: Vitória Paiva

Palmeiras Imperiais
540 mil metros quadrados. Mais de oito mil espécies de flores e plantas. Palmeiras tão altas quanto um prédio de quinze andares. Essa é a essência do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, mais uma prova de que a Zona Sul, bem como a cidade carioca, tem excelentes pontos turísticos. O local abriga espécies raras da flora brasileira e do mundo desde 1808 (é o mais antigo do Brasil), quando também começou a acolher especiarias vindas do oriente. O jardim é enorme, então é bom reservar uma manhã ou tarde exclusivamente para o passeio, que custa apenas R$10 (inteira) ou R$5 (meia). 

Criado por João VI, o Jardim Botânico tem como charme principal as palmeiras imperiais. Mas também tem atrativos como lago de vitórias-régias, orquidário, roseiral, parquinho para crianças, estufas, chafariz e tantos outros... Ufa! Haja espaço para tanta beleza natural. Deixar de visitar esse belo jardim é dar mole. Há muitos cariocas que não conhecem o local e nem todos os turistas sabem da existência. Mas ir ao Rio e não ir lá é a mesma coisa que ir a SP e não ir ao Parque Ibirapuera. Prepare seu roteiro e inclua o jardim. Você irá se surpreender com certeza. Saiba como nos próximos parágrafos.

Micos
O Jardim Botânico abriga o Museu do Meio Ambiente, o Espaço Tom Jobim, o Centro de Visitantes, uma loja que é dirigida pela Associação de Amigos do bairro. São tantas opções diferentes que a gente se perde. Sim. Perder-se lá pode ser normal. Uma hora você se localiza. Uma dica que dou é: baixe o aplicativo do local, o Jardim Virtual (disponível para android e IOS). O app mostra os principais pontos e sugere caminhos. Não deixe de baixar.

Em meio às arvores e aos atrativos, macacos e micos podem ser avistados (fofura!). E eles circulam livremente pelo jardim. Não se espante ao ‘trombar’ com um. Mas atenção: não é permitido alimentá-los já que eles podem desconfiar e ‘agredir’ (informação do guarda florestal). Mas admirá-los caminhando pelo chão é algo muito fofo e que chama nossa atenção.

Além de admirar os macacos e plantas, o Jardim Botânico é uma boa opção para caminhadas, passeios com crianças (falei que tem parquinho, né?), piquenique com amigos e família e... para um book fotográfico! Sim. Muita – eu disse muita – gente escolhe o local para ser fundo do book de casamento, aniversário ou book pessoal justamente por conta da beleza que o cerca.

Vitórias Régias
Não é só o turismo que faz o jardim funcionar. Atualmente ele funciona como um instituto de pesquisa, sendo considerado patrimônio nacional pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) e reserva da biosfera da Mata Atlântica pela Unesco. Interessante, né?

Enfim, o local é tão grande, tem tantas opções do que conhecer, que se eu fosse falar tudo aqui sairia como uma bíblia do turismo, rs. Então a recomendação que dou para você, que leu o post e se interessou em ir, é ler mais no site . Nada mais completo, né?


Dica: este passeio pode ser combinado com a Vista Chinesa.

Voluntariado


Ah! Sabia que você pode ser voluntário no parque? A ideia é que comece já nas Olimpíadas, mas posteriormente os voluntários serão escalados para monitorar visitas em períodos de alta temporada, feriados e finais de semana. A jornada é de 4h diárias e você pode ter acesso (para você e um acompanhante) ao local para uma visita fora do expediente. 



Serviço (extraído do site):


- Segundas-feiras: das 12h às 17h*
- Terça a domingo: das 8h às 17h*
* Durante o Horário de Verão, as bilheterias ficam abertas até as 18h.

O valor é de R$10,00 (inteira) e R$5,00 (meia). Somente em dinheiro. Cartões não são aceitos para entrada. Crianças até 5 anos não pagam.

Como chegar


O Jardim Botânico não possui estacionamento. É bom usar ônibus ou táxi. Há bicicletários e estacionamento exclusivo para pessoas com severas deficiências de locomoção (veículos adesivados); permitida entrada de carros para embarque e desembarque de pessoas com dificuldades de locomoção (deficientes, idosos, grávidas).

Endereço: Rua Jardim Botânico, 1008 

sexta-feira, 8 de julho de 2016

Lago Todos Los Santos e Saltos de Petrohue


Um dos passeios mais lindos no Sul do Chile



Saímos de Puerto Varas em uma manhã morna de verão para conhecer mais uma atração da região dos lagos e dos vulcões. Conjugamos o passeio com a ida ao vulcão Osorno, passeio que conto aqui. Pois o vulcão, o lago Todos Los Santos e os Saltos de Petrohue, ficam na mesma direção, perto de Enseñada. Procuramos aglomerar pontos turísticos que sejam próximos. Raramente programamos grandes quilometragens ou muitas atrações para um mesmo dia. 
Lago com vulcão Osorno ao fundo

Partimos de Puerto Varas, costeando o lago Llanquihue, dirigindo aproximadamente 60 quilômetros através da Ruta 225, uma estrada de mão dupla bem asfaltada, tranquila e costeada por ciclovias. O caminho é bonito e ornamentado pelas bem-cuidadas propriedades rurais da região. Perto de Enseñada há uma bifurcação: para a esquerda, continuando pela estrada de asfalto, fica o caminho para o vulcão Osorno. Seguindo à direita, por uma estrada de terra pedregosa, chega-se aos Saltos de Petrohue e ao Lago todos Los Santos. Desde a bifurcação, dirigimos uns quatro quilômetros até chegar ao o lago.
Passeio: opção de barcos diversos
Tiramos a manhã para a parte do lago. Foi uma experiência muito positiva, já que neste horário o vulcão costuma ainda estar coberto por uma névoa. Já o lago, costuma estar ensolarado e propício para a navegação.

Quando nos aproximamos do lago foi inevitável a abordagem dos muitos barqueiros oferecendo passeios. Escolhemos o nosso pela sua honestidade informando na chegada que não precisávamos parar o carro no estacionamento pago. Pois havia um grande estacionamento público mais adiante, a uma caminhada de poucos metros até o lago.

A primeira vista percebemos que o lago é lindo e deslumbrante. Após decidirmos qual a modalidade de passeio e barco que tomaríamos, seguimos com nosso barqueiro e mais um casal de venezuelanos navegando pelas águas cristalinas e turquesas, que encantam qualquer um. O passeio custou $4.000 pesos por pessoa (aproximadamente 6 dólares).  
Casa de bonecas no lago
O barqueiro, de origem indígena, contou que morava na outra margem do lago, onde praticamente toda a família também habitava há diversas gerações. Informou-nos que passaria por lá para pegar seu filho de seis anos, que estava de folga da escola. Na parada, descobrimos que é possível acampar na outra margem.
O guia, o barqueiro e a equipe do Viajando com Puny
A partir de então, navegamos serenamente pelas águas ouvindo um menino esperto contar, quase melhor que seu pai, as lindas histórias e lendas sobre o lago. E a magia foi escutá-las enquanto admirávamos o entorno extasiante, com paisagens de tirar o fôlego.
Transparência da água
O barqueiro navegou pelo centro, depois foi às margens do lago para mostrar alguns locais onde se via a profundidade e a transparência cristalina das águas. Passamos ainda por duas residências tradicionais às margens do lago. Uma delas tinha uma casa de bonecas no meio do lago. Mas não há muito feito pelo homem no lugar. O que encanta mesmo é a natureza deslumbrante por todo lado.

Optamos pelo passeio pelo lago, mas quem tem mais tempo, pode ir até Peulla, a parada do outro lado do lago, que leva ao caminho para Buenos Aires. Em Peulla, há hotéis, caso a pessoa queira se hospedar por lá.

Saltos de Petrohue

Saindo do lago Todos Los Santos, fomos em direção aos Saltos de Petrohue, que ficam a uns dois quilômetros da volta do lago. Há estacionamento pago dos dois lados da estrada. E a entrada para ir ver os Saltos é paga. Pagamos 1.500 pesos por pessoa em fevereiro deste ano. (aproximadamente USD2.25).
Saltos de Petrohue
Os Saltos não estavam com volume de água muito grande, mas mesmo assim estavam bonitos de se ver. Há pontilhões de madeira por todo o caminho, com saídas secretas que levam a diversos recantos. É uma boa atração.

Dos Saltos de Petrohue, seguimos para o Vulcão Osorno, em uma viagem que conto aqui.

Explico que os superlativos usados no texto não são um exagero. Pois este passeio não pode ser expresso de outro modo. Belíssimo!

Destaco que, se você tiver possibilidade,programe-se para visitar dois pontos que não pudemos usufruir no caminho:

1 - Lavandas de Ensenada: localizada no Km 36 da Ruta 225.  Não tinha lido nada sobre este lugar, mas passando na estrada, vi uma placa sobre a propriedade. Mas já era tarde, estávamos com fome e  por isso seguimos adiante.
Onces Bellavista: café variado
2 – Café Onces Bellavista: fica no Km 34,2 da Ruta 225. Estava em nosso roteiro, mas como terminamos o vulcão mais cedo do que esperado, preferimos ir almoçar em Puerto Varas. Pois o Onces Bellavista serve um grande e delicioso café - onces são cafés no estilo chá das cinco inglês, cheio de gostosuras, bolinhos, sanduíches, geleias, etc. E naquele dia queríamos uma refeição proteica e quente. De qualquer modo, paramos para conhecer e tirar umas fotos. É uma bonita propriedade, tem lhamas e é boa também para casais com crianças.